Arquivo | Desenhos animados – longas metragens RSS feed for this section

“Há coisas piores do que isso”

19 ago

“Megara (to Hercules who starts going):
– What are you doing? Without your strength, you’ll be killed.

Hercules: There are worse things”.

Great line. From Hercules Script.

A Música de Up – Altas Aventuras

5 ago

Se eu ouvir esta música dois milhões de vezes acho que consigo enjoar. Esta é a faixa 1 (Up with titles), da trilha sonora de Up – Altas Aventuras, feita pelo genial compositor Michael Giacchino. Venceu o Oscar de Melhor Trilha Sonora em 2010.

A Casa de Up – Altas Aventuras

5 ago

Eu escrevi este post sobre o subtexto no filme Casablanca e percebi outro uso deste subtexto no filme Up (dentre vários). Carl, o personagem principal, é muito apegado à própria casa, tanto que prefere viajar ‘junto’ com ela a vendê-la a outra pessoa.

Ele conversa com a casa, como se nela vivesse o espírito de Ellie, sua falecida esposa.

O porquê de tanto amor eu só percebi quando assisti ao filme pela segunda vez: é a casa em que os dois se conhecem ainda crinaças, uma casa semi-destruída que os dois reconstroem juntos.

Em nenhum momento isso é dito – ainda bem. Mas está bem perceptível em tudo no filme. Até mesmo na idéia central, que é uma casa voadora com balões. Afinal de contas, seria muito mais fácil viajar de avião.

Foto: TheNickster

Up – Altas Aventuras

4 out

Up - Altas Aventuras

A animação atualmente em cartaz da Pixar chama-se Up – Altas Aventuras, e conta a história de um senhor de 78 anos, aposentado, que após perder sua esposa, decide planejar uma aventura voando na própria casa, que é carregada por centenas de balões.

Para trazer humor ao enredo, um pequeno escoteiro termina participando, sem querer, da viagem. Um cachorro “falante” completa o trio que vai passar por grandes sustos para poder voltar ao lar.

O filme é uma produção da Pixar e da Disney, e o primeiro desenho animado, que eu me lembre, a ter um idoso como protagonista. E parece que a história já conquistou os espectadores. Na versão dublada, Chico Anysio dá voz ao personagem principal.

O mundo mágico de Chihiro

30 set

Spirited_Away_posterA revista de cinema SET publicou trechos de uma entrevista coletiva com Hayao Miyazaki, criador da animação “A Viagem de Chihiro” (2001).

Assisti “A Viagem de Chihiro” há muito tempo, mas lembro o quanto fiquei impressionada. Muita, mas muita fantasia, lições baseadas na milenar sabedoria japonesa e lendas assustadoras.

Depois de assistir ao longa, que superou muito minhas expectativas, só ficou a certeza: não é um filme para crianças! Realmente, Miyazaki diz que

“ao criar a Viagem de Chihiro, queria fazer um filme realmente assustador, baseado em lendas japonesas. É um filme dirigido à juventude apática do Japão, que tem medo de se aventurar, de conhecer o mundo.”

Outros trechos da entrevista:

“Crio histórias realistas, mas que, no fundo, se baseaim em contos de fadas. Também gosto mais dos vilôes do que dos heróis. Eles dão mais duro que os heróis, trabalham mais. Sempre os faço com coração, capazes de sorrir. Quando desenho alguém sorrindo, sorrio também”.

“Meu único conselho para meus artistas é ´Nunca faça algo que você já viu antes. Mas se você viu e esqueceu que viu, não tem problema…´

Outro grande sucesso do cineasta é o “Castelo Animado“, de 2004. Ele também está com um longa atualmente em cartaz, Ponyo.

Ratatouille, uma grata surpresa

23 ago

ratatouille-kitchen-lFoi meio reticente que fui assistir a Ratatouille, atraída pelo trecho de uma das falas do filme, citado em um post do Gourmet UpDateOrDie. Mas esse desenho que conta a improvável história de um ratinho que quer ser cozinheiro – e nasceu com a alma de um cozinheiro – é lindo. E também me apaixonei pela música-tema (Le Festin), que pode ser ouvida no vídeo abaixo.

O trecho que me chamou a atenção é o discurso do crítico de restaurantes Anton Ego, no final do filme:

“In many ways, the work of a critic is easy. We risk very little yet enjoy a position over those who offer up their work and their selves to our judgment. We thrive on negative criticism, which is fun to write and to read. But the bitter truth we critics must face is that, in the grand scheme of things, the average piece of junk is more meaningful than our criticism designating it so. But there are times when a critic truly risks something, and that is in the discovery and defense of the new. Last night, I experienced something new, an extraordinary meal from a singularly unexpected source. To say that both the meal and its maker have challenged my preconceptions is a gross understatement. They have rocked me to my core. In the past, I have made no secret of my disdain for Chef Gusteau’s famous motto: Anyone can cook. But I realize that only now do I truly understand what he meant. Not everyone can become a great artist, but a great artist can come from anywhere. It is difficult to imagine more humble origins than those of the genius now cooking at Gusteau’s, who is, in this critic’s opinion, nothing less than the finest chef in France. I will be returning to Gusteau’s soon, hungry for more.”

Continue lendo

Novo longa de animação de Tim Burton

27 maio

Para quem gosta do estilo de Tim Burton, que realizou os filmes Edward Mãos de Tesoura, Bettlejuice (Os fantasmas se divertem), A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça, entre outros, esse estilo um pouco sombrio, mas que eu gosto muito, ele deve lançar em breve seu novo longa de animação, chamado de “9”, ainda sem data para ser lançado no Brasil.

Atualmente, Burton está trabalhando na versão para o cinema do filme “Alice no País das Maravilhas”, com um elenco de estrelas.

Fonte e trailer: PipocaBlog